Dia da Mulher estimula debate sobre desafios e conquistas femininas, diz Luísa Canziani


  Luísa Canziani: “Temos que falar da participação das mulheres na política, aumentar esse quadro.”


O Dia Internacional da Mulher, celebrado em 8 de março, estimula o debate sobre os desafios que ainda precisam ser vencidos na busca da maior inserção de mulheres nos espaços de poder, como na política, e sobre seu crescimento contínuo no mercado de trabalho.

A opinião é da presidente da Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher da Câmara dos Deputados, Luísa Canziani (PR).

“A gente, infelizmente, também tem que falar de violência contra a mulher, de feminicídio, da paridade dos salários das mulheres com os homens no mercado de trabalho. Temos que falar da participação das mulheres na política, aumentar esse quadro”, afirma.

Por outro lado, segundo a parlamentar, a data incentiva a reflexão sobre a evolução do papel da mulher na sociedade, avanços e conquistas de direitos históricos adquiridos ao longo do tempo.

“A gente vê com uma esperança muito grande que esse dia possa significar uma discussão em torno dessas pautas importantes para que a gente possa vislumbrar, ao longo do ano, não só aqui na Câmara dos Deputados, mas enquanto sociedade brasileira, dias melhores para as mulheres”, declara.

Origem da data

O Dia Internacional da Mulher foi oficializado pela Organização das Nações Unidas na década de 1970.

Uma primeira história que ficou muito conhecida como fundadora desse dia narra que, em 8 de março de 1857, 129 operárias morreram carbonizadas em um incêndio ocorrido nas instalações de uma fábrica têxtil na cidade de Nova York.

Supostamente, esse incêndio teria sido intencional, causado pelo proprietário da fábrica, como forma de repressão extrema às greves e levantes das operárias, por isso teria trancado suas funcionárias na fábrica e ateado fogo nelas. Essa história, contudo, é falsa e, por isso, o 8 de março não está ligado a ela.

Marco

Existe, no entanto, outra história que remonta a um incêndio que de fato aconteceu em Nova York, no dia 25 de março de 1911. Esse incêndio aconteceu na Triangle Shirtwaist Company e vitimou 146 pessoas, 125 mulheres e 21 homens, sendo a maioria dos mortos judeus. Essa história é considerada um dos marcos para o estabelecimento do Dia das Mulheres.

As causas desse incêndio foram as péssimas instalações elétricas associadas à composição do solo e das repartições da fábrica e, também, à grande quantidade de tecido presente no recinto, o que serviu de combustível para o fogo.

Além disso, alguns proprietários de fábricas da época, incluindo o da Triangle, trancavam seus funcionários na fábrica durante o expediente como forma de conter motins e greves. No momento em que a Triangle pegou fogo, as portas estavam trancadas.

Precariedade

O acontecimento em Nova York é significativo, pois evidenciou a precariedade do trabalho no contexto da Revolução Industrial. Isso, no entanto, não pode apagar a influência da luta operária e dos movimentos políticos organizados pelas mulheres.

Sendo assim, é importante afirmar que o Dia Internacional da Mulher não foi criado por influência de uma tragédia, mas sim por décadas de engajamento político das mulheres pelo reconhecimento de sua causa.
 
Reportagem – Renata Tôrres, com a colaboração de Regina Mesquita e informações do Brasil Escola
Foto – Jotaric

Comentários

Não existem comentários

Postar um comentário

  • ©2020 PTB na Câmara. Todos os direitos reservados.