Governo está como uma barata tonta na reforma da Previdência, avalia Arnaldo

Escrito 31/03/2017, 11:28
Por Renata
Categoria destaque

  Arnaldo:  “Roubaram o Estado à vontade e agora querem os problemas nas costas do trabalhador.”


Ao analisar as decisões recentes do presidente Michel Temer sobre as mudanças nas regras da reforma da Previdência para servidores públicos dos estados e municípios, o deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP) afirmou que “o governo está perdido, está uma barata tonta” em relação à reforma.

Depois de excluir os funcionários públicos estaduais e municipais da reforma da Previdência que propôs ao Congresso, Temer decidiu voltar atrás. Ele optou por incluir uma emenda no texto estabelecendo prazo de seis meses para que estados e municípios promovam mudanças nos sistemas de aposentadoria dos servidores locais.

“O governo está perdido, está uma barata tonta. Uma semana diz que vai mandar a situação dos servidores estaduais, municipais para as assembleias legislativas. Depois, diz que vai dar um prazo para as assembleias tomarem essa determinação, sob pena de prevalecer aquilo que naturalmente prevaleceria, que é o texto constitucional”, criticou o parlamentar.

Integrante da Comissão Especial da Reforma da Previdência, Arnaldo Faria de Sá acredita que a matéria pode ser aprovada no colegiado, mas, segundo ele, a situação vai ser diferente quando for votada no Plenário da Câmara.

“Na comissão pode até passar, porque é maioria simples e o governo pode ter algum resultado. Mas, no Plenário, que exige quórum de 3/5 dos deputados para aprovação do texto, certamente a situação fica muito complicada para o governo. E tem que ficar mesmo, porque o trabalhador, o aposentado, o pensionista, o servidor não pode ser jogado na vala comum da crise financeira. Roubaram o Estado à vontade e agora quer jogar nas costas do trabalhador os problemas da equipe econômica”, destacou.
 
Reportagem – Renata Tôrres
Foto – Lúcio Bernardo Junior/Câmara dos Deputados
 

Comentários

Não existem comentários

Postagem de comentários após três meses foi desabilitado.
  • ©2020 PTB na Câmara. Todos os direitos reservados.