Povo sofrerá com restrição ao serviço público do projeto da dívida dos estados, diz Arnaldo


            Faria de Sá: “Os governadores são todos culpados pelas dívidas dos seus estados.”


O deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP) denunciou em Plenário que o projeto que trata da renegociação das dívidas dos estados com o governo federal (PLP 257/16) – que também determina o congelamento de salários dos servidores públicos e a proibição de contratações –vai acabar prejudicando a população, que precisa dos serviços públicos.

“Os governadores são todos culpados pelas dívidas dos seus estados. E agora, para negociar a dívida, vão na cangalha do servidor. O que é isso? Esta Casa não percebe? O serviço público hoje já está uma lástima: faltam funcionários, faltam equipamentos, e dizem que a culpa é do servidor público. Na verdade, a culpa é daquele que faz a gestão do serviço público”, criticou o parlamentar.

O PLP 257/16 está na pauta desta segunda-feira (8) do Plenário da Câmara dos Deputados. A proposta alonga por mais 20 anos o pagamento das dívidas estaduais se forem adotadas restrições de despesas por parte dos governos estaduais, principalmente na área de pessoal.

A sessão de segunda-feira está marcada para as 16 horas. O projeto também poderá ser analisado na tarde de terça-feira (9).

Arnaldo Faria de Sá ainda criticou as negociações que estão sendo feitas para a aprovação do projeto na Câmara, como a exclusão de militares, juízes e defensores públicos das restrições impostas no texto original da proposta.

“Qual é a jogada? Ah, nós vamos atender os militares aqui, os magistrados e o Ministério Público ali, vamos atender a Defensoria... E com o resto, o que vai acontecer? A massa que se dane. Essa é a grande realidade”, disse.

O deputado defende que o Congresso Nacional aprove apenas a renegociação das dívidas dos estados, sem os prejuízos impostos aos servidores públicos.
 
Reportagem – Renata Tôrres
Foto – Gustavo Lima / Câmara dos Deputados

Comentários

Não existem comentários

Postagem de comentários após três meses foi desabilitado.
  • ©2021 PTB na Câmara. Todos os direitos reservados.